Formação Integrada para Sustentabilidade - FIS

Formação Integrada para Sustentabilidade - FIS

Criada em 2010, a FORMAÇÃO INTEGRADA PARA A SUSTENTABILIDADE - FIS é uma disciplina eletiva da FGV-EAESP que visa promover uma estrutura e um processo co-formativo inovadores, que atendam às demandas de uma educação transformadora para a sustentabilidade e que, consequentemente, instiguem mudanças no paradigma da percepção de educantes e aprendentes.

O FIS exemplifica uma forma de fazer educação que leva em conta a emergência de um sujeito presente e ativo na sua relação consigo mesmo, com o outro e com a realidade que o circunda. É a partir dessa postura que o FIS se aproxima da realidade da nova geração de gestores e gestoras, do conhecimento e da sustentabilidade.

Assim, esta disciplina contribui para a emergência de líderes com visão estratégica e sustentável, aptos a lidar com uma realidade complexa, com alta demanda por inovação - o verdadeiro desafio das organizações com visão de futuro.

Como

O FIS se apoia em uma metodologia de natureza transdisciplinar, que leva alunas e alunos a obterem uma profunda compreensão dos desafios com os quais se deparam, além do envolvimento necessário para fazer emergir soluções integradas e inovadoras. Esse mergulho começa ainda no processo de seleção dos fisers (como são chamados os alunos do FIS), que além de apresentar a proposta do curso, também envolve os alunos em uma dinâmica que permite vislumbrar o processo co-formativo que será vivenciado.

Durante o semestre, os alunos estudam um projeto real de uma organização real, para o qual devem propor recomendações e/ou soluções. Este desafio compõe o que chamamos de Projeto Referência. Cada projeto desenvolvido pelos fisers determina o conteúdo, a teoria e a atitude prática que determina o escopo do curso. O conteúdo necessário emerge de sessões de diálogo, reflexões individuais e coletivas, filmes, mesas redondas com especialistas, visitas de campo e jogos. Este processo é conduzido por meio de coaching.

Como parte dessa metodologia, os alunos realizam uma viagem de campo, com duração média de oito dias, durante a qual fazem uma profunda imersão no contexto do Projeto Referência do semestre, a partir da Teoria U concebida por Otto Scharmer (MIT).

Ao final do período, os alunos apresentam suas conclusões, recomendações e/ou propostas para uma banca formada por stakeholders, especialistas e acadêmicos.

Contexto

O FIS nasce da percepção de organismos internacionais, empresas e sociedade civil da necessidade que a sustentabilidade seja incorporada ao modelo vigente de educação, com a consequente demanda da concepção de uma nova proposta educacional.

Para atender a essa demanda, as Nações Unidas desenvolveram o PRME - Principles for Responsible Management Education, uma iniciativa que pretende que as escolas de negócio do mundo inteiro gradualmente integrem em seus currículos, pesquisas, aulas, metodologias e estratégias institucionais os temas da responsabilidade social corporativa e sustentabilidade.

Seguindo sua tradição de pioneirismo e excelência na educação, a FGV EAESP tornou-se signatária do PRME em 2009, e é no contexto desta iniciativa que surgiu o FIS.

Edições

Cada turma do FIS tem um Projeto Referência diferente.

Turma

Projecto Referência

FIS 22

Criar uma experiência visual que nos leve a imaginar cenários da evolução da resiliência climática da cidade de São Paulo nos próximos 30 anos.

Acesse a experiência visual

FIS 21 “Grãos de Pólen”

Criar um jogo que gere conversas e reflexões sobre os impactos do nosso consumo, provocando quem joga a uma mudança de hábito.

Acesse o jogo 'Kaos: um jogo sobre consumo e sustentabilidade'

FIS 20 “João de Barro”

Produzir uma websérie que apresente a história e o papel das ONGs socioambientalistas para o desenvolvimento sustentável no Brasil.

Assista à webisérie

FIS 19 “Adaptar-te”

Produzir uma exposição de arte que revele a urgência da adaptação da agricultura brasileira às mudanças do clima.

Assista à visita guiada

FIS 18 “De Mala e Cuia”

Produzir e lançar uma campanha de comunicação que dê visibilidade ao turismo de base comunitária no Brasil para inspirar comportamentos e práticas dos atores envolvidos

Acesse o site

FIS 17 “com.fiar”

Criar e lançar uma edição da Revista P22ON sobre os possíveis usos de blockchain para certificações socioambientais que facilitem o acesso de pequenos negócios ao mercado

Acesse a revista

FIS 16 “2GRAU$”

Produzir e veicular uma sequência de vídeos curtos que conscientize e sensibilize para opções pessoais de investimentos financeiros responsáveis voltados para promover uma economia de baixo carbono.

Assista aos vídeos

FIS 15 “Entrenós”

Produzir uma feira das tendências e soluções para o futuro da moda, na qual, a partir do pensamento de ciclo de vida de roupas, sejam apresentadas inovações para todas as etapas da cadeia de valor.

Veja como foi a feira

FIS 14 “Oásis”

Construir um mosaico digital e interativo que revele a situação dos desertos alimentares na cidade de São Paulo e entorno, provocando a reflexão sobre sua existência e como afetam indivíduos, relações, políticas públicas e negócios.

FIS 13 “Som@s”

Gameficar a questão sobre equidade entre homens e mulheres nas empresas para provocar reflexão e mobilizar para ação.

Acesse o jogo 'Sala de Reunião'

FIS 12 “Íntegra”

Despertar a comunidade da FGV-SP para um novo paradigma de relação humana e social em suas Escolas, a partir da produção de três vídeos curtos que tratem sobre o relacionamento dos alunos com, pelo menos, 3 públicos do entorno da instituição.

Assista aos vídeos

FIS 11 “TransFormar”

Promover experiência(s) que mobilize(m), convide(m) e inspire(m) os envolvidos com educação superior a explorar a aplicação de novos modelos, princípios e perspectivas de formação para escolas de administração.

FIS 10 “inSPira”

Criar – ou potencializar – uma intervenção em espaço público na cidade de São Paulo, que reflita o conceito de “cidade para pessoas”.

FIS 9 “Alcateia”

Produzir um jogo de tabuleiro que apresente uma contribuição significativa à complexa questão da Gestão de Áreas Protegidas públicas e privadas no Brasil. Espera-se que o jogo impulsione os diversos agentes envolvidos a acessarem novas narrativas que projetem o país para uma solução de vanguarda na gestão de áreas protegidas.

FIS 8 “Enlace”

Realizar um documentário que apresente uma contribuição significativa à complexa e controversa implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. Espera-se que o documentário impulsione os diversos agentes envolvidos a acessarem novas narrativas que projetem o país para uma solução de vanguarda na gestão de resíduos sólidos e logística reversa.

Assista ao documentário

FIS 7 “Se7eMeio”

Elaborar uma proposta de captação de recursos - reembolsáveis e/ou não reembolsáveis - para a implantação de um Parque Tecnológico Regional de Sustentabilidade Urbana, atendendo às aspirações da Associação de Prefeitos da Região Central - APREC, que congrega 28 municípios do Estado de São Paulo.

FIS 6 “CLiCK”

Criar um road map para desenvolver um cluster de tecnologia limpa que fomente cadeias de valor de eficiência energética e energia renovável.

FIS 5 “sYnCO”

Apresentar uma política de gestão e desenvolvimento de fornecedores que crie as condições para que as empresas brasileiras do setor de mineração, sejam protagonistas em cadeia de suprimentos orientada à sustentabilidade.

Acesse o relatório

FIS 4 “ProFundo”

Estruturar um Fundo de Apoio ao pequeno produtor no Brasil, que possibilite a construção de pontes entre este agroempreendedor e a economia de mercado. Este fundo tem como premissa o uso adequado  dos recursos naturais e a valorização do capital social.

FIS 3 “Tiédi”

Elaborar uma proposta de valor e um modelo de negócio de inclusão financeira para a população de baixa renda, no Brasil.

FIS 2 “Bioelo”

Criar um conjunto de diretrizes para uma política pública de conservação e uso sustentável da biodiversidade, bem como o conhecimento tradicional a ela associado.

FIS 1 “Belo Monte”

Fazer uma recomendação para dois bancos signatários dos Princípios do Equador sobre investir ou não na AHE de Belo Monte

 

 

Comunidade FIS

A Comunidade do FIS passou a existir formalmente em julho de 2018, após concluídas 16 edições da disciplina, que acontece desde 2010 na FGV-EAESP. Como intenção inicial, o fortalecimento desta comunidade pretende manter vivo e expandir, para além das fronteiras da FGV, o processo de formação integrada para sustentabilidade das pessoas que já vivenciaram o percurso do FIS para que a experiência seja presente e possa inspirar a prática diária; pretende também ser um espaço para emergência de projetos coletivos dentro da rede de ex-alunos, alunas e equipe do FIS.

Com o apoio inicial do Instituto C&A, os três primeiros encontros entre as gerações de fisers aconteceram no 2º semestre de 2018 em uma perspectiva transdisciplinar, no contexto do desenvolvimento sustentável e com o objetivo de promover o reencontro e a conexão entre as quase 300 pessoas.

Publicações e Relatórios

 

Formação Integrada para a Sustentabilidade: Guia de fundamentos e práticas (versão 1.0)

Este Guia sintetiza e organiza a metodologia da disciplina FIS para que possa ser replicada em outros contextos e para outros públicos. O FIS foi criado após a FGV ter se tornado signatária do PRME em 2009. Desde sua origem, o FIS tem sido aplicado no curso de graduação da FGV-EAESP, como uma disciplina eletiva oferecida aos alunos a partir do 5º semestre de Administração de Empresas, Administração Pública, Economia e Direito. Entendemos que aplicações do FIS para outros públicos e contextos seja possível, ainda que adaptações precisam ser pensadas e testadas. Por isso desenvolvemos este Guia.

Acesse a publicação

 

Formação Integrada para Sustentabilidade: impactos e caminhos para transformação

Frente ao desafio do desenvolvimento sustentável, aumentam as iniciativas de incorporar a sustentabilidade na educação em geral, e nas escolas de negócio em particular. Entretanto, mais do que a inserção curricular do tema, a complexidade dos problemas contemporâneos pede um repensar da educação, por meio de modelos que integrem o sujeito ao seu meio e às diversas formas de conhecimento, há muito fragmentadas pelo pensamento disciplinar moderno. O objetivo deste artigo é apresentar o estudo de caso do FIS (Formação Integrada para Sustentabilidade), disciplina da FGV-EAESP que segue um modelo transdisciplinar e foi inspirada no PRME (Principles for Responsible Management Education). A partir das percepções de impacto de alunos e ex-alunos do FIS, o estudo levanta insights sobre as possibilidades de transformação individual que um espaço de experimentação livre e contextualizado pode permitir dentro de uma escola de negócios, assim como os desafios encontrados neste processo..

Acesse o artigo

Parceiros

Essas são as organizações parceiras do FIS ao longo desses anos. As parcerias se dão de várias formas: patrocínios financeiros, apoios técnicos e in kind. Também constituem um foco coformativo para o FIS, pois, ao mesmo tempo em que atuam como conectores, possibilitam um elo do FIS com a realidade das organizações.

Além disso, o FIS necessita de parceiros para:

  • Trazer diversidade de olhares, opiniões e experiências, enriquecendo os debates em sala e em campo.
  • Aproximar os alunos da realidade, possibilita-los mergulhar na complexidade do desafio proposto.
  • Alocar uma equipe de pesquisadores do FGVces e consultores especialistas no conteúdo e forma do desafio.
  • Viabilizar a produção e entrega do produto final que deixe um legado e a emergência de futuras lideranças para a sustentabilidade.

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.