Voltar

  • Comunicação, Marketing e Redes Sociais

Uso de dispositivos digitais no Brasil ultrapassa 400 milhões de unidades

12.06.2020

Levantamento é do centro de referência em TI da FGV, que fez um retrato do mercado de Tecnologia de Informação no país

Computador, notebook, tablet e smartphone estão entre os 424 milhões de dispositivos digitais usados no Brasil atualmente. Os dados são da 31ª Pesquisa Anual do Centro de Tecnologia de Informação Aplicada (FGVcia) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP). O estudo traçou o retrato atual do mercado de Tecnologia de Informação. Aponta que no Brasil, nos Estados Unidos e no mundo são vendidos quatro celulares por televisão e uma televisão por computador.

Os resultados dimensionam a importância da tecnologia e mostram o processo de Transformação Digital das empresas e da sociedade, na avaliação de Fernando Meirelles, coordenador do estudo e professor da FGV EAESP. Ele acrescenta que 190 milhões de computadores  (desktop, notebook e tablet) estão em uso no país. “Esse volume corresponde a 9 computadores para cada 10 habitantes, 90% per capita”, afirma. 

A venda anual de computadores foi de 12 milhões (-3%) em 2019, mesmo volume de 2016 e 2017, metade do pico de 2013, o que, segundo Meirelles, evidencia um aumento no uso e na venda de computadores em uma época onde o trabalho home office é crescente por causa da pandemia mundial de Coronavírus.

A pesquisa do FGVcia aponta que mais de 1 smartphone é usado por habitante no Brasil, país que possui 234 milhões de celulares deste tipo. Essa tecnologia somada aos notebooks e tablets representa 342 milhões de dispositivos portáteis em uso em junho de 2020, ou seja, 1,6 dispositivo portátil por habitante.

A  tecnologia é uma preocupação por parte das empresas, que tiveram um crescimento para 8% de suas receitas com gasto e investimento em TI, destaca Meirelles. “O custo anual de TI por usuário atingiu R$ 52 mil. Esses são os gastos e investimentos em TI em 2019, dividido pelo número de usuários da empresa, sem economia de escala, cresce com o tamanho da empresa”, explica.

A pesquisa  do FGVcia contou com uma amostra de 2.622 médias e grandes empresas para fazer o levantamento. 

 

Confira a apresentação e o relatório da 31ª Pesquisa Anual do FGVcia da FGV EAESP.

Veja a repercussão do estudo no Portal da FGV e no site Monitor Mercantil.