Voltar

Eduardo Henrique Diniz

Eduardo Henrique Diniz

Pesquisador do Centro de Estudos de Administração Pública e Governo da Fundação Getulio Vargas (FGVceapg). Formado em Engenharia Elétrica, com ênfase em eletrônica, na Escola de Engenharia de São Carlos USP (1983), Mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas - SP (1994) e Ph.D. em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas - SP (2000). Visiting Scholar na University of California, Berkeley (1996-98), na HEC Montréal (2007) e na Erasmus University (2016-17). É Bellagio Fellow, indicado pela Fundação Rockefeller em 2014, e pesquisador do Centro de Microfinanças e Inclusão Financeira pela FGV, (FGVcemif) desde 2007. Foi coordenador do ADI divisão acadêmica da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração (Anpad) de 2005 a 2006 e coordenador do tema Tecnologia da Informação no governo, Comunidades e Organizações Não-Governamentais na Anpad (2007 a 2009). Professor da Escola de Administração do Estado da Fundação de São Paulo Getulio Vargas (FGV EAESP) desde 1999, foi editor-chefe da RAE, Revista de Administração de Empresas, FGVexecutivo e FGVcasos, de janeiro de 2009 a dezembro 2015. Atualmente é Chefe do departamento de Tecnologia e Ciência de Dados (TDS). Tem pesquisado sobre aplicações de tecnologia e impactos em bancos, governo e sociedade desde 1991 e publicou inúmeros trabalhos acadêmicos sobre a inclusão financeira em conferências internacionais (ICIS, EGOS, Academy of Management, AMCIS, etc) e periódicos MISQuarterly, Journal of Global Information Management, Public Administration, Innovations MIT, Information Technology and International Development, Information Development e Electronic Commerce Research and Applications, The European Financial Review. Suas pesquisas foram financiadas por agências internacionais como National Science Foundation, International Development Research Centre, Banco Mundial, Fundação Gates e Fundação Rockefeller. Ele tem sido convidado a apresentar seu trabalho de pesquisa em bancos centrais e federações de bancos do Brasil, México, Índia e Colômbia.