De moeda social a criptomoeda: dilemas da emancipação tecnológica do E-Dinheiro

Julho, 2022

Autor(es)

Bruno Sanches
Luiz Faria
Pedro Neto
Marcos Ferreira

E-Dinheiro é uma moeda social que se tornou digital. Nessa trajetória, a Rede Brasileira de Bancos Comunitários, a entidade comunitária gestora do e-Dinheiro, se tornou tecnologicamente dependente da empresa que forneceu e administrava seu software. Depois de muitos anos de luta, a entidade comunitária rompeu com as algemas tecnológicas que a deixaram subjugada à empresa de tecnologia e está diante de novas oportunidades. Uma delas, apresentada por um grupo de pesquisadores, é transformar o e-Dinheiro
em uma criptomoeda. Porém, essa oportunidade coloca a entidade diante de novos e antigos dilemas, sobre os quais ela precisa decidir.

Esse site usa cookies

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação e utiliza tecnologias como cookies para armazená-las e permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para mais informações, acesse o nosso Aviso de Cookies e o nosso Aviso de Privacidade.