Desenvolvimento econômico e estagnação no Brasil (1950–2011)

Janeiro, 2020

Autor(es)

André Nassif (UFF)
Lucilene Morandi (UFF)
Eliane Araújo (UEM)
Carmem Feijó (UFF)

Decompomos, calculamos e analisamos evidências estatísticas sobre o crescimento da produtividade do trabalho no Brasil no período 1950–2011, de acordo com “mudança estrutural” e “componentes internos”, conforme proposto pela metodologia de McMillan e Rodrik (2011). 

O Brasil teve taxas anuais positivas entre 1950 e 1979, mas após 1980 o crescimento da produtividade do trabalho no país ficou estagnado. Como é quase consenso que essa estagnação no subperíodo 1980-1994 seja explicada pela crise da dívida externa e pelas taxas de inflação crônica, regredimos o crescimento da produtividade do trabalho e seus dois componentes em diversas variáveis ​​microeconômicas e macroeconômicas no Brasil para o período 1995–2011. 

Os resultados mostram que a estagnação da economia brasileira nas últimas décadas é explicada pela supervalorização da moeda brasileira.

 

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.