Rede Amigos da Amazônia (RAA)

Rede Amigos da Amazônia (RAA)

Ações e políticas de sustentabilidade na produção e no consumo de produtos florestais amazônicos

A RAA se movimenta a partir de três eixos articulados pela sua secretaria executiva.

  • Conhecimento pesquisa  e disseminação

Discutimos os desafios da conservação da Amazônia buscando entender os fatores que compõem sua complexidade e as alternativas de produção e consumo pautadas pela sustentabilidade.

  • Monitoramento de políticas e práticas 

Construímos ferramentas de acompanhamento da implementação de políticas e práticas de produção e consumo de produtos florestais amazônicos.

  • Articulação de atores estratégicos

Promovemos o diálogo entre diferentes atores a fim de encaminhar resoluções aos desafios enfrentados na conservação da Amazônia. 

 

História

A origem da Rede Amigos da Amazônia está ligada a dois programas criados pelo Greenpeace Brasil, o “Cidade Amiga da Amazônia” e o “Estado Amigo da Amazônia”, ambos iniciados na primeira década do ano 2000, período de índices alarmantes de desmatamento na Amazônia. Constatada a oportunidade e os benefícios de se promover a interação de organizações e governos em uma rede, o Greenpeace Brasil buscou a Fundação Getulio Vargas pelo seu potencial de produção de conhecimento, mobilização e articulação para que coordenasse os dois programas. Em 2008, a Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV EAESP), por meio do Centro de Estudos em Administração Pública e Governo – FGVceapg, abraçou os programas sob a rubrica Rede Amigos da Amazônia (RAA), com missão e forma de atuação renovadas.

 A RAA teve como missão ser um espaço de cooperação e construção de sinergias entre governos, empresas e sociedade civil, promovendo o aprendizado por meio do intercâmbio de experiências sobre ações e políticas de sustentabilidade na produção e no consumo de produtos florestais amazônicos. A RAA envolveu ao longo dos anos de atividade, atores interessados em contribuir com políticas e práticas que criem condições para o cumprimento da legalidade e a inserção de critérios de sustentabilidade nas atividades econômicas envolvendo produtos florestais da Amazônia, em especial a madeira tropical.

O FGVceapg desenvolveu o papel de Secretaria Executiva, com apoio do Centro de Estudos em Sustentabilidade (FGVces) e de um conselho consultivo formado por representantes de governos, empresas e da sociedade civil, atuando por meio de três grandes eixos: 1) geração e disseminação de conhecimento; 2) articulação e engajamento de atores estratégicos; e 3) diagnóstico e monitoramento de políticas e práticas.

 

Apoio:

  • Comunidade Europeia

 

Coordenação:

  • Raquel Sobral Nonato

 

Equipe:

  • Raquel Sobral Nonato
  • Kate Dayana Rodrigues de Abreu
  • Rafael Murta Reis
  • Felipe Santana Rick
  • Mário Aquino Alves
  • Zilma Borges de Souza
  • Marcus Vinicius Peinado Gomes
  • Maria Lúcia Villela Garcia
  • Fabiana Paschoal Sanches de Moura (FGVceapg, Coordenação administrativa)

 

Saiba mais